Mulheres do Software Livre

Com o objetivo de melhorar as interações durante a organização do GT- Feminino Livre, esta avaliação tem como objetivo, verificar os pontos positivos e negativos  durante o planejamento do GT – Feminino Livre 2010, afim de coletar sugestões para o  planejamento do fisl12.

Clique na avaliação e contribua com o nosso crescimento!

Anúncios

Dia 22 de janeiro às 21horas em São Paulo-SP, no Campus Party foi apresentada a mesa redonda das garotasCPbr com o título “Mulheres de TI e seus interesses”.

Para ouvir acesse o podcast  da palestra.

Parte 1 –  Mesa Redonda – Parte 1

Parte 2 – Mesa Redonda – Parte 2

Parte 3 –Mesa Redonda – Parte 3

Algumas fotos durante o evento:

Rádio Software Livre | Rádio Software Livre, música e tecnologia que libertam.

Ouçam a entrevista do grupo Garotas CPBr no Campus Party 2011.

Um dos eventos mais importantes de Tecnologia no Brasil, em sua terceira edição em São Paulo, não poderia faltar a participação feminina! Hoje, estima-se que 25% dos participantes são mulheres e que visualmente estes dados não mentem, pois para quem veio ao CPBR percebe-se que pelo menos uma mulher ou mais está entre os grupos de campuseiros.


Como o feminino livre não poderia ficar de fora, conheci o grupo Garotas CPbr que apresentaram uma mesa redonda belíssima e muito interessante sobre Mulheres de TI e seus interesses. Não pude deixar de convidá-las para participarem do fisl 12 e também de uma entrevista pela TV Software Livre.

Confiram no endereço http://radio.softwarelivre.org  o resultado e algumas fotos!

Durante a entrevista na rádio

Para entrar em contato com as Garotas CPbr o blog é  http://garotascpbr.com.br e pelo e-mail garotascpbr@gmail.com

Por Paloma Costa

Para marcar a presença feminina no fisl11, o grupo de mulheres que integram o GT Feminino Livre realizou uma cerimônia de entrega dos lenços que identificam o grupo nesta sexta-feira, 23. A coordenadora em exercício da Associação Software Livre.org, Virgínia Ferreira, colocou o lenço com o símbolo do grupo, um catavento, em cada uma das participantes.

Formado há cerca de dois meses, o GT está promovendo várias atividades durante o fórum, entre elas a discussão sobre o papel das mulheres na área da informática e debate sobre acessibilidade. As integrantes do grupo também estão circulando pelos espaços do fisl11 com um livro de adesão ao GT, registrando novas participantes e promovendo discussões sobre o tema mulheres e software livre.

Por Rochele Prass


Organizada cronologicamente, esta seleção de 100 perfis revela o quanto as mulheres fizeram para moldar a história. O escritor Rolka aborda os problemas enfrentados pelas mulheres e suas conquistas. Este livro não fala apenas de rainhas ou princesas, ele inclui mulheres menos prestigiadas que fizeram grandes modificações, como Tarsila do Amaral, Anita Garibaldi, Cecília Meireles, Chiquinha Gonzaga, Joana d´Arc, Maria Quitéria, Maria Montessori, Rosa Luxemburgo, Marie Curie, Agatha Christie, Rachel de Queiroz, Frida Kahlo, Madre Teresa, Irmã Dulce , Evita Perón, Anne Frank, Toni Morrison e outras. Começando com a rainha Makare Hatshepsut (c-1503-1468 b.c) e finalizando com Rigoberta Menchu, ainda ativamente envolvida com questões de direitos humanos, os perfis escritos de forma concisa remexem a história e situam as realizações de cada mulher dentro do contexto da sociedade na qual viveram. O livro inclui um teste de conhecimentos e mapas que mostram ondes estas mulheres viveram ou vivem. De maneira geral, 100 Mulheres que mudaram a História do Mundo fala de muitas mulheres que foram deixadas de fora dos livros escolares de história.

Fonte: Universia: http://www.universia.com.br/cultura+/materia.jsp?materia=3000Livro de Gail Meyer Rolka Publicado em 08/03/2004 – 02:00

O universo feminino terá destaque no 11º Fórum Internacional Software Livre. Sob o comando do Grupo de Trabalho Feminino Livre, o fisl11 contará com uma programação dedicada às mulheres, com atividades inovadoras no Espaço ASL.

O objetivo do Grupo é agregar. Para isso estão sendo convidados grupos de mulheres de todo o Brasil. A participação de mulheres de diferentes regiões e culturas tornará o evento ainda mais atraente, proporcionando um novo olhar sobre o fisl.

Conforme a coordenadora do fisl, Virgínia Ferreira, o GT Feminino Livre irá contemplar atividades de setores ainda não consolidados no desenvolvimento do Software Livre. “Buscamos o olhar feminino sobre o fazer, sempre fomentando a aplicação, o uso, o desenvolvimento e a divulgação do Software Livre”, explica.

Confira as atividades:

Painel “Mulheres e o Software Livre”
Clarice Abrahão – Coordenadora do Fórum de Educadores da Restinga e Extremo Sul – FERES
Cleusa Ioshida -Superintendente nacional de Inovação da Caixa Econômica Federal
Fernanda Weinden -Analista de Sistemas do Google
Marcia Schüler – Secretária de Tecnologia da Informação e Inclusão Digital de Novo Hamburgo
Vera Cavalcante – Coordenadora do Grupo de Usuários BrOffice.org no Estado de São Paulo

No Espaço ASL – Dias 22, 23 e 24
10:00 às 12:00 – Mini-palestras de 30 minutos cada
14:00 às 16:00 – Desconferências de 30 minutos cada
18:00 às 19:00 – Lançamento de livros e sessão de autógrafos

Fonte:http://softwarelivre.org/fisl11/noticias/mulheres-ganham-espaco-no-fisl11   (23/07/2010  –  00:38)